Petrônio e as Criaturas é um projeto musical contemporâneo que utiliza de ritmos populares, letras com temáticas universais e arranjos com bastante lirismo e psicodelia. Salsa, bolero, tango, blues, folkstrot e rock’nroll fazem parte do arcabouço sonoro da banda. As canções são em ritmos diferentes determinados pelo tema: solitude, desapego, reflexões sociais e filosóficas, com letras bem-humoradas.

Em fins de 2013 foi lançado o primeiro disco "Ossos da Alma", comprometido com a experimentação de timbres e a atmosfera psicodélica e composto por letras de visões existenciais e sentimentos profundos. Produzido por Guga S. Rocha e Nelson Burgoz e mixado e masterizado por Pierre Leite, o disco foi gravado entre Rio de Janeiro e Recife, com a participação de diversos músicos: Marquinhos Azevedo, Antiartista, Bruno Carneiro, Lois Lancaster, Maurício Chiari. Algumas canções participaram da trilha musical de longas-metragens de documentários: “Flutuantes”, de Rodrigo Savastano e “O Gigantesco imã”, de Petrônio Lorena e Tiago Scorza.

"Troglodita", segundo disco de Petrônio e as Criaturas, lançado dia 26 de março de 2019 nas plataformas digitais (Deezer, Spotify, Google Play e Itunes), é um disco de Rock. Possui canções existenciais e outras que filosofam sobre uma sociedade que retrocede em lutas antigas pela liberdade de "ser o que é" e pelo poder do “coletivo”.

As canções trazem baladas psicodélicas, rock´n´roll, folkstrot e soul music. Tudo com sotaque nordestino e groove latino. Um destaque é a utilização de solos em contraponto (duas melodias simultâneas se complementando) e das letras que misturam imagens concretas e abstratas nas composições de Petrônio, ancoradas no tratamento visceral de Philippe Agra (bateria), Ulisses Lenhador (baixo) Fernando S. (guitarra e teclados), Rama Om (guitarra, gaita, didjeridu e violino) e Guga S. Rocha (guitarra). O disco possui as participações espaciais de Juvenil Silva, do percussionista Leo Vilanova, do trompete de Daniel Ferraz e de Deco do Trombone. A produção musical é de Fernando S.